quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Dois dias, duas noites, sem dormir...Paranóia total!! Às vezes, Flor de Lis exagera mesmo, entra no redemoinho de si mesma e se perde, não vê a luz no fim do túnel, entra em transe! De repente, resolve de abandonar tudo e partir para o azul do infinito. Onde é esse raio de azul do infinito??? Nem ela sabe, nem ela acredita que exista. Porque não existe; o azul do infinito é dentro dela mesma. E para deixar de ser tão profunda e cair na real, Flor de Lis ultimamente anda sempre no vermelho infinito, de modo que mesmo que o tal azul do infinito fosse em outro lugar, ela não poderia ir por falta de grana. Mas nem tudo está perdido, uma coisa estranha anda acontecendo, Flor de Lis não está devorando geladeiras como fazia cada vez que entrava em transe. E afinal, não existe no mundo só o azul do infinito, existem também o amarelo e o alaranjado. E o por que não o roxo? Tá bom, já está ela aqui de volta ao mundo real.

Um comentário:

Etti Blanchard disse...

adorei ! sobretudo a parte da viagem !!!